05 / 03 / 2018 - 20h02
Eleição força reforma administrativa que atingirá 21 pastas do governo

A corrida eleitoral de 2018 vai provocar uma reforma administrativa no governo do estado que deve atingir mais de 21 pastas, entre secretarias e outros órgãos. Os cargos devem ser desocupados até o dia 7 de abril, prazo estabelecido pela Justiça Eleitoral.

Secretarias estratégicas do governo vão mudar de comando, como a de Educação, Administração e Segurança. Na Seduc, a deputada federal Rejane Dias deixará a pasta para tentar a reeleição, assim como Fábio Abreu na Secretaria de Segurança. Já na Sead, o secretário Franzé Silva estreia na disputa pelo voto tentando uma vaga na Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi).

O governador Wellington Dias (PT) tem dito que nomes técnicos ou que já trabalhem na área assumirão as vagas.

Na Secretaria de Segurança, os nomes fortes para comandar a pasta são o do coronel Rubens Pereira, que já foi comandante da Polícia Militar do Piauí e o delegado Lucy Keiko, atual gerente de Polícia Metropolitana.

Com a obrigação de deixarem os cargos, vários deputados estaduais vão retornar à Alepi. Entre eles Fábio Novo (Cultura), Fábio Xavier (Cidades), Flávio Junior (Turismo), Francisco Limma (SDR), Hélio Isaias (Defesa Civil), Janaina Marques (Infraestrutura), Nerinho (Desenvolvimento Econômico), Zé Santana (Assistência Social) e Ziza Carvalho (Meio-Ambiente).

Veja a lista de pastas que sofrerão mudanças:

  1. Secretaria de Segurança
  2. Educação
  3. Cultura
  4. Cidades
  5. Turismo
  6. SDR
  7. Trabalho e Emprego
  8. Defesa Civil
  9. Infraestrutura
  10. Desenvolvimento Econômico
  11. Assistência Social
  12. Meio Ambiente
  13. Governo
  14. Administração
  15. Fundespi – Paulo Martins
  16. Fundação Hospitalar – Pablo santos
  17. Polícia Militar  – Coronel Carlos Augusto
  18. Instituto de Águas – Francisco Costa
  19. Fapepi  – Francisco Guedes
  20. Coordenadoria de Modernização – Marcus Vinícius Dias
  21. Coordenadoria de Combate às Drogas – Sâmio Falcão

(Ascom)