03 / 11 / 2018 - 17h14
Moradores do Val Paraíso voltam a denunciar incêndio no aterro sanitário

O aterro sanitário do Val Paraíso registra segundo foco de incêndio em menos de duas semanas. De acordo com o morador, Oscar Matos, o local está prejudicando, não apenas famílias da localidade, mas também quem reside em bairros vizinhos.

O morador conta que o aterro hoje funciona como um lixão e não apenas por conta dos incêndios que são registrados no espaço, mas outros fatores também prejudicam quem mora próximo ao depósito de lixo.

“A situação atual do aterro, que é, entre aspas, um lixão, porque nós não consideramos um aterro sanitário; a situação hoje é crítica, é grave, a situação hoje do lixão a céu aberto aqui na nossa comunidade, que é do município de Picos, se encontra em uma situação muito triste, onde nós da comunidade estamos sofrendo muito. O ar que respiramos se encontra totalmente poluído”, afirmou Oscar Matos.

Ainda segundo o morador, a Gestão Municipal é procurada constantemente para resolver o problema. Ele faz um apelo para que os anseios da comunidade sejam atendidos.

“A indignação nossa é grande, eu queria fazer esse pedido, que alguém tomasse as providências, porque caso contrário, a comunidade e comunidades vizinhas estão todas unidas, nós vamos ter que fazer uma severa manifestação. […] A realidade é que ninguém toma providências”.

A nossa equipe conversou com o secretário de Serviços Públicos de Picos, Ayrton Carvalho, a fim de apurar sobre as medidas que a Gestão Municipal tomará acerca do aterro. Segundo o gestor, uma equipe da prefeitura está no local e o incêndio já foi contido. Para o aterro foram levados um trator de esteira, uma retroescavadeira e também um caminhão caçamba para conter o fogo.

Carvalho disse ainda que uma licitação está sendo preparada e uma nova empresa passará a gerir o aterro sanitário.

“Eu já solicitei que [a prefeitura] contratasse uma empresa para vir para o aterro e já está em fase de licitação, que já está bem avançado, eu acredito que dentro de 20 dias a gente já tenha um resultado de qual empresa que vai vir para o aterro”, contou.

Ainda de acordo com Ayrton, a nova administradora do local deverá regularizar as atividades no espaço, diferenciando-o de um lixão.

“A empresa vai vir para tratar o lixo da forma correta, vai funcionar como aterro sanitário e não como lixão a céu aberto, vai funcionar de forma adequada”, garantiu.

O último incêndio registrado na área foi notificado no dia 26 de outubro, dois carros-pipa e um caminhão esteira foram enviados para ajudar a apagar o fogo. Equipes do corpo de bombeiros também auxiliaram o trabalho.

(Grande Picos)