29 / 06 / 2020 - 20h43
Morre aos 89 anos, Manoel Soares de Sousa, um dos fundadores do bairro Junco

Faleceu na madrugada deste domingo (28), no Hospital Regional Justino Luz, em Picos, o líder comunitário Manoel Soares de Sousa, de 89 anos, mais conhecido em vida por seu “Assunção”. Servidor público do extinto Departamento de Nacional de Estradas e Rodagens (DNER), que foi transformado no atual Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Seu “Assunção” deu entrada no hospital Dr. Oscar no último dia 19 para o tratamento de uma pneumonia e recebeu alta hospitalar na quarta-feira (24), mas retornou para a mesma unidade de saúde na última sexta-feira (26), onde, após exame, foi testado positivo para covid-19. O paciente foi transferido para o hospital público, que é referência para o tratamento da infeção. Durante a primeira estadia no hospital particular, ele havia realizado o teste que deu negativo para a doença.

História

Natural da cidade de Itapipoca no estado do Ceará, ele chegou no município picoense no ano de 1957, na abertura da BR 316, também mantinha o cargo de fiscal de transporte rodoviário. O funcionário público casou-se com a piauiense Vanilde Áurea de Carvalho Sousa, com quem teve 6 filhos: Teresa Cristina de Carvalho Sousa Moura, Genésio de Carvalho Neto (in memoriam), Américo de Carvalho Sousa, Isabel Cristina de Carvalho Sousa Rosado, Américo Vespúcio de Carvalho Sousa, Gervásio de Carvalho Sousa.

Ele foi um dos primeiros habitantes da comunidade e com outros moradores ajudou a fundar o bairro Junco. Muito respeitado pela população, seu Assunção teve uma forte atuação na igreja católica, sendo responsável pela criação de várias comunidades na zona rural do município como também pela criação da Paróquia de São Francisco de Assis, sediada no bairro, onde passou por diversos grupos e pastorais, e por último como ministro da eucaristia.

Sansão, como era chamado pelos íntimos, atuou por décadas no movimento popular, foi sócio fundador da Associação de Moradores do Bairro Junco, uma das primeiras do município picoense e contribuiu para o surgimento de várias outras em bairros na cidade. Na política, ele exerceu forte militância, foi um dos fundadores do Diretório Municipal do Partido Trabalhadores e concorreu a uma cadeira na Câmara Municipal de Picos, no pleito de 1988 e obteve 66 votos.

Atendendo às recomendações das autoridades em saúde, o velório foi restrito aos familiares mais próximos. Segundo a família, o corpo foi levado da funerária direto para o cemitério Jardim da Eternidade no bairro Parque de Exposição, onde ocorreu o enterro.

Assis Santos/Grandepicos.com.br



Publicidade